História

O Tupynambás Futebol Clube foi fundado no dia 15 de agosto de 1911 por Bruno Toschi, Remo Toschi, Dante Zanetti, Alberto Setta, Sebastião Taucci, Jorge Miguel, Horácio Antune, Paulo Tirapani e Edmundo Benedicto, na cidade mineira de Juiz de Fora. Estreou em competições oficiais na cidade no ano de 1918, sagrando-se vice-campeão. Em 1919, conquistou seu primeiro título, sendo bicampeão no ano seguinte. Nessa mesma competição, conquistou mais onze títulos, o último em 1966. Conquistou em 1934, o vice campeonato mineiro, perdendo o título para o Villa Nova de Nova Lima. O clube encerrou suas atividades profissionais em 1969, retomando no ano de 1983 e posteriormente no ano de 2007.

Equipe do Baeta de 1967
Equipe do Baeta de 1967

Após nove anos de inatividade, o clube voltou no segundo semestre de 2016. Com um projeto moderno e pautado, sobretudo, no profissionalismo, com intuito de manter a tradição do clube, o Tupynambás sagrou-se campeão mineiro da Segunda Divisão, conseguindo o acesso ao Módulo II. Foi o primeiro título em competições profissionais na história do Baeta.

O seu mascote é o Leão, adotado em 1918.

Os seus apelidos são Baeta e Leão do Poço Rico.

Suas cores oficiais são o branco e o vermelho.


ORIGEM DO NOME BAETA

A denominação Baeta, teria vindo de um pássaro de plumagem vermelha, encontrado exclusivamente no Brasil, conhecido por Tiê-baeta ou Tiê-sangue. No livro “A Epopeia dos Vencedores – A Saga do Futebol de Juiz de Fora”, do escritor Halber Alvim Pedrosa, Baeta seria uma referência a um tecido vermelho, parecido com a cor da camisa do clube, muito utilizado no início do século passado.

O Baeta possui 105 anos de existência, ou seja, um clube consolidado.

Primeiro clube, dentre os três maiores de Juiz de Fora a ser fundado, se tornando um dos principais representantes do futebol profissional do município.

Marca regionalmente conhecida fruto de um grande legado histórico.

Considerado o clube mais popular da cidade, o ‘’Clube da Família’’.

Estádio José Paiz Soares Década de 70
Estádio José Paiz Soares – Década de 70
Compartilhe